• Por Stephanie Sonsin

Relacionamento entre irmãos: principais problemas e dicas de convívio



Seus filhos brigam como se não fossem parar nunca? Tira o outro do sério o tempo inteiro? Não sabe mais o que fazer para melhorar o relacionamento entre irmãos? Então veja neste artigo algumas dicas de convívio familiar.


A família é a base do relacionamento entre irmãos


A família é o ambiente mais seguro e que oferece muito amor, por isso, ela deve ser a base para a construção de relacionamentos, como é o caso dos irmãos. Esta relação marca o início das primeiras relações sociais das crianças. Nesse contato, as crianças sentem mais afinidade e oportunidade para impor suas ideias, o que gosta, entre outras coisas.


É, também nesse momento, que intrigas acabam ocorrendo. Afinal, as pessoas pensam e vivem de forma diferente, além dos sentimentos e emoções que começam a surgir com a interação social, como o ciúmes.


Principais problemas no relacionamento entre irmãos


A comparação e não cooperação é um dos principais problemas no relacionamento entre irmãos. Por exemplo, fazer comparações como "o que come bem e o que não come nada", "o que fala bem e o que é mal educado". Isso cria rótulos e afasta um do outro.


Gerar distância e não identificação é outro grande problema. Cada filho está passando por uma fase, mas não dá para rotular as características destas crianças, pois isso criará impressões ruins posteriormente, como "não me dava bem com minha irmã desde pequena".


Quem vai escovar os dentes primeiro? A competição é outro grande problema. Um irmão quer escovar os dentes antes do outro. Quem escova primeiro se sente vencedor por receber aprovação dos pais, enquanto o outro se sente cada vez mais deprimido.


A rivalidade anda junto com a competição, ela se mostra nas brincadeiras de fazer ciúmes. Por exemplo: "não vai me dar um abraço? Vou pedir para o seu irmão". Parece inocente, mas essas falácias contribuem para o comportamento rival e competitivo entre as crianças.


Dicas de convívio familiar entre os irmãos


Cooperação: promover que cooperem. Antes de aprenderem a cooperar entre eles, é preciso que cooperem com os pais.


Atenção na hora errada: bater no irmão é a forma que a criança usa para receber sua atenção. Mesmo que a atenção seja negativa, a criança entende que está ganhando do irmão. Sendo assim, a atenção dada nesse momento deve ser cautelosa.


Intervenção a todo momento: quando os pais intervêm toda hora atrapalha os irmãos a lidar um com o outro. Dar soluções faz com que eles não aprendam a resolver seus próprios problemas. Por isso, é importante dar espaço para as crianças.


Vítima e agressor: colocar papéis nos filhos é um grande erro. Isso cria ainda mais rivalidade entre os irmãos, estimula o comportamento agressivo e depreciativo. Por isso, quando algo acontecer é importante entender o contexto e não rotular os filhos.


Contexto da situação: ver o que está acontecendo é muito importante. Mostre para o seu filho que você viu e diga que vão conseguir resolver isso.


Regras e rotina: são extremamente importante para manter o convívio familiar, assim como as tarefas do dia a dia e impor os limites necessários.


14 visualizações0 comentário